LINUX, TI E MUITO MAIS!
Cadastre-se agora e receba gratuitamente o ebook do Curso Linux Ubuntu, dicas imperdíveis para ter sucesso com Linux
Insira seu email no campo ao lado para receber AGORA o Ebook!

Formação Linux: O Guia Completo para Você Ficar Atualizado

Você está iniciando a sua Formação Linux e muitas vezes vem a pergunta se está consumindo conteúdo atualizado ou não? Então fique ligado nesse guia completo que preparei logo a baixo e descubra:

  • Certificação, quais você deve focar agora ao iniciar sua formação Linux
  • Quais os comandos básicos do LINUX você deveria saber antes de procurar por uma formação LINUX profissional
  • Como treinar alguns comandos do LINUX, mesmo sem iniciar uma formação Linux ou até mesmo sem instalar o LINUX.
  •  Quais os desafios que você irá enfrentar depois que terminar sua formação Linux e estiver entrando para o mercado
  • Como encontrar um mentor e iniciar uma formação Linux que realmente entregue um resultado
  • Quais as tecnologias para ficar de olho e continuar praticando depois de ter concluído uma formação LINUX.

Você sabe muito bem que cada vez mais presente dentro das empresas brasileiras e estrangeiras, o sistema Linux já conquistou e amplia a cada dia seu espaço dentro do mundo corporativo.

FORMAÇÃO LINUX: O GUIA COMPLETO PARA VOCÊ FICAR ATUALIZADO

Esse crescimento gerou uma grande demanda por profissionais especializados no sistema do Pinguim, valorizando a carreira e abrindo novas oportunidades para quem trabalha com Tecnologia da Informação e busca a formação Linux.

APRENDA A DOMINAR O LINUX

Aprenda a dominar o LINUX de uma vez por todos, pegue sua cópia

  • Ferramentas para instalar softwares adicionais
  • Shell do LINUX passo a passo, e muito mais...

Veja o artigo onde eu falo um pouco mais sobre a carreira de administrador de sistemas LINUX.

Mas não basta somente conhecer o sistema: entender a teoria, buscar por certificações Linux, dominar diferentes comandos, ter prática e conhecer a fundo sobre administração e segurança de sistemas Linux aplicado a empresas é essencial para que o profissional se destaque no mercado de trabalho.

Além de ser uma prova de que o profissional está qualificado para atuar com o sistema, a certificação em Linux garante salários mais atraentes aos profissionais da área.

Quer saber mais sobre como se manter atualizado para o mercado de trabalho? Confira nossas dicas e garanta seu sucesso!

Formação Linux, com foco também na certificação

Buscar a certificação Linux é ótimo para conseguir uma colocação no mercado de trabalho. Os certificados são a prova do seu conhecimento acerca do sistema e mostram sua capacidade de administrar o sistema com eficiência e produtividade.

Existem algumas opções para quem quer trabalhar com o sistema do Pinguim que vão desde os conhecimentos mais básicos até os mais avançados.

Fique de olho em uma formação Linux que também esteja alinhada com esse propósito, mas não fique obcecado em tirar certificação apenas, aprender e dominar o LINUX é o mais importante no inicio.

LPIC-1

Principal certificação em Linux do mercado voltado para administradores de sistemas, o Linux Professional Institute Certification: System Administrator (LPIC-1) é a validação das habilidades do profissional que atua na área.

LPIC-1 formação linux

A certificação é reconhecida no mundo todo e considerada fundamental para profissionais que desejam construir uma carreira com sistemas open source.

Manutenção de tarefas na linha de comando, instalação e configuração de uma máquina que roda Linux e configuração básica de networking são os principais conhecimentos cobrados na prova de certificação LPIC-1.

Ou seja, é um teste que comprova a proeficiência do profissional com as tarefas do dia a dia da administração de sistemas Linux dentro de organizações corporativas.

Entender a arquitetura do sistema Linux, lidar com arquivos e permissões de acesso e segurança do sistema e ajudar usuários com tarefas diárias estão entre os assuntos que devem ser dominados pelo candidato.

O teste LPIC-1 é composto por dois exames: 101-400 e 102-400. Não há pré-requisitos para o candidato e a certificação é válida por 5 anos. Ele pode ser feito em português, inglês, espanhol, alemão, italiano, chinês e japonês.

Exame 101-400: nessa prova são cobrados assuntos como configuração de hardware, boot e reboot do sistema, instalação e gerenciamento do sistema, criar, monitorar e matar processos, entre outros.

Exame 102-400: já para a segunda prova, o candidato deve saber escrever e customizar scripts simples, instalar e configurar X11, administrar usuários e contas de grupos, automatizar tarefas de administração do sistema, dominar os protocolos de internet e configuração básica de network, etc.

Ainda sobre as certificações Linux do LPI, veja a Linux Essentials, LPIC-1 que comentei acima, LPIC-2 e LPIC-3. O Profissionais Linux que é um formação Linux completa, contempla todas essas certificações.

Como fazer os testes

O primeiro passo é obter o seu LPI ID, que é obrigatório para quem deseja fazer a prova. Depois, basta consultar as datas disponíveis, fazer a inscrição e pagar a taxa da prova. Mais informações no site da LPI

CompTIA Linux+

Outro certificado importante para quem trabalha ou deseja atuar com sistemas Linux é o CompTIA Linux + Powered by LPI, que atesta que o profissional possui os conhecimentos e as habilidades básicas para a administração do sistema.

São duas provas e é necessário ser aprovado na primeira para fazer a segunda. Os assuntos cobrados são: linha de comando, networking, configuração, instalação e manutenção básica.

Quem é aprovado nesse exame agora pode solicitar certificação do LPIC-1 e Administrador Linux Certificado (CLA) da SUSE sem custos adicionais.

Novell CLA

A certificação Novell Certified Linux Administrator (CLA) é voltada para quem deseja administrar servidores SUSE e produtos Novell. Para retirar a certificação é necessário já ter a certificação LPIC-1 e validá-la no site da Novell.

Leia também ...   Usar o dpkg para opter informações sobre pacotes .deb no Ubuntu

Outros tipos de certificações para quem trabalha com a administração de sistemas e outras áreas também estão disponíveis no site.

Domine os comandos de Shell

Nem é preciso dizer que dominar a linguagem usada pelo sistema operacional é fundamental para o profissional que trabalha com TI. São esses comandos que vão tornar as tarefas mais simples no dia a dia de trabalho, principalmente aquelas repetitivas e que tomariam muito tempo do profissional.

No caso do Linux, é preciso conhecer pelo menos os comandos principais do Shell, e também aprender um pouco sobre Shell Script, como os de controle e acesso, comunicação, gestão de arquivos, entre outros. Conheça alguns comandos mais usados:

Atenção: ao entrar no terminal, confira se você está como usuário ($) ou como root (#). Sempre prefira fazer alterações como um usuário comum para evitar danos ao sistema operacional.

Controle e Acesso

  • exit: terminar a sessão.
  • logout: deslogar, ou seja, terminar a sessão atual, mas apenas na C shell e na bash shell.
  • passwd: trocar o password do usuário logado.
  • rlogin: logar de forma segura em outro sistema Unix/Linux.
  • ssh: sessão segura (secure shell); permite logar em um servidor remoto por meio do protocolo ssh.
  • slogin: versão segura do rlogin.

Comunicações

  • mail: enviar e receber e-mails.
  • mesg: permitir ou negar mensagens de terminal e pedidos de conversação.
  • pine: ferramenta rápida e prática para enviar e receber e-mails.
  • talk: falar com outros usuários logados no momento.
  • write: escrever para outros utilizadores logados no momento.

Ajuda e Documentação

  • apropos: localiza comandos por pesquisa de palavra-chave.
  • find: localiza arquivos.
  • info: abre o explorador de informações.
  • man: manual completo de informações de todos os comandos.
  • whatis: descreve o que um determinado comando é ou faz.
  • whereis: localiza a página de ajuda (man page), código fonte, ou arquivos binários de um determinado programa.

Gestão de Arquivos e Diretórios

  • cd: muda o diretório atual.
  • chmod: muda a proteção de um arquivo ou diretório.
  • chown: muda o dono ou grupo de um arquivo ou diretório.
  • chgrp: muda o grupo de um arquivo ou diretório.
  • cmp: compara dois arquivos.
  • cp: copia arquivos.
  • file: determina o tipo de arquivo.
  • grep: filtro para procurar arquivos por padrão.
  • mkdir: cria um diretório.
  • mv: move ou renomeia arquivos ou diretórios.
  • pwd: mostra todo o caminho do diretório usado em dado momento, ou seja, um pathname.
  • quota: mostra o uso do disco e seus limites.
  • rm: remove arquivos, ou diretórios
  • rmdir: remove diretório.
  • stat: mostra o estado de um arquivo, (útil para saber a data e hora do último acesso, por exemplo).
  • tar: cria ou extrai arquivos (muito usado como programa de backup ou compressão de arquivos).
  • tee: copia o input para um standard output e outros arquivos.
  • tr: traduz caracteres.
  • umask: muda as proteções de arquivos.
  • uncompress: restaura um arquivo comprimido.
  • uniq: reporta ou apaga linhas repetidas em um arquivo.
  • wc: conta linhas, palavras e mesmo caracteres em um documento.

Rede

  • netstat: aponta o estado da rede.
  • nmap: poderoso port-scan, para visualizarmos portas abertas em um dado host.
  • ifconfig: para visualizar os IPs da máquina, entre outras funções relacionadas com IPs.

Controle de processos

  • kill: mata um processo.
  • bg: coloca um processo suspenso em background.
  • fg: traz de volta um processo ao foreground.
  • jobs: permite visualizar jobs em execução.
  • ^y: suspende o processo no próximo pedido de input.
  • ^z: suspende o processo atual.

Outras informações

  • clock: define a hora do processador.
  • date: exibe a data e hora.
  • df: exibe um resumo do espaço livre em disco.
  • du: exibe um resumo do uso do espaço em disco.
  • env: exibe as variáveis de ambiente.
  • finger: pesquisa informações de usuários.
  • history: lista os últimos comandos usados — muito útil para lembrar quais comandos foram usados para fazer determinada ação e o passo a passo.
  • last: indica o último login de utilizadores.
  • manpath: mostra a path de procura para as páginas do comando man.
  • printenv: imprime as variáveis de ambiente.
  • ps: mostra a lista de processos em execução.
  • pwd: mostra todo o caminho do diretório em dado momento, ou seja, é um pathname.
  • time: marca o tempo de execução de programas.
  • uptime: mostra há quanto tempo o sistema está funcional, quando foi ligado e o seu uptime.
  • w: mostra quem está no sistema ou que comando cada job está executando.
  • who: mostra quem está logado no sistema.
  • whois: permite saber informações sobre determinados domínios na internet, quando um domínio foi registrado, quando expira, etc.
  • whoami: aponta quem é o dono da shell.

Treine, treine, treine

Assimilar os principais comandos do Linux não é um bicho de sete cabeças, mas requer bastante prática. Quem está iniciando o aprendizado no sistema do Pinguim pode treinar os comandos em alguns sites criados especialmente para isso, sem ter que dispor do sistema em uma máquina, de forma totalmente on-line.

Por isso selecionamos 3 sites para você começar a treinar já! Confira:

  1. JS/Unix: o endereço leva o usuário para um sistema operacional virtual, onde é possível treinar comandos simples de qualquer navegador. Para usar, basta clicar em “> open terminal” e logar como “guest”.
  2. Linux Comand: quem está começando do zero pode tirar muito proveito deste site, já que nele é possível aprender tarefas simples e já se familiarizar com as linhas de comando até estar bem preparado para usar o sistema. Vale muito a pena conhecer!
  3. The Linux Cookbook: o site é uma versão on-line de um livro de mesmo título, onde é possível aprender e escrever em Shell Script, mais indicado para quem já tem conhecimentos básicos no assunto. Ele ajuda o usuário a entender a organização de arquivos no Linux e o ensina desde ações mais básicas como alterar senhas até configurar o X Windows System.
Leia também ...   Como anda o Curso de Linux Ubuntu Online ?

Enfrente os desafios do mercado de trabalho

Conhecer os desafios atuais do mercado de trabalho da tecnologia da informação é fundamental para que o profissional possa estar preparado para atuar na sua área de formação.

De acordo com o Linux Jobs Report 2015 o número de empresas usando o sistema Linux aumentou em relação a 2014 e o interesse pela contratação de especialistas no assunto é cada vez maior.

Segundo o relatório, que foi desenvolvido pela The Linux Foundation, as funções mais requisitadas entre os especialistas na área são administradores de sistemas, desenvolvimento de aplicações e arquitetura e engenharia de sistemas.

O relatório apontou que 97% dos entrevistados disseram que iriam contratar um especialista em Linux nos seis meses posteriores à entrevista. A pesquisa também apontou que 44% dos recrutadores prezam pela certificação dos profissionais.

Dentre as habilidades de um especialista em Linux que se destacam entre as empresas atualmente estão o conhecimento e experiência com Cloud Computing, virtualização e segurança.

E a tendência é só aumentar a demanda, já que cada vez mais empresas estão adotando a computação em nuvem, diretamente relacionada à virtualização, e a segurança de dados e da rede já é considerada um fator essencial para o sucesso de um negócio.

Portanto, o principal desafio das empresas hoje é conseguir recrutar profissionais qualificados para esses cargos. E aí entra a importância da formação Linux.

Mas lembre-se que a prática é tão importante quanto os conhecimentos teóricos adquiridos com cursos voltados para o sistema Linux. Isso porque tarefas básicas do dia a dia devem ser resolvidas sem grandes empecilhos, de forma prática e rápida pelo profissional de TI.

Como citamos anteriormente, ter o conhecimento comprovado por meio das certificações de formação Linux é um o principal caminho para quem deseja atuar com o sistema, já que há um desfalque de profissionais qualificados no mercado de trabalho.

Por isso é tão importante buscar cursos de formação desde os níveis mais básicos e fazer testes para garantir certificados de capacitação. E sempre praticar bastante!

Conhecimentos básicos requeridos

Alguns conhecimentos básicos de Linux podem ser testados por um recrutador na hora de contratar um administrador de sistemas. Selecionamos 10 questões que um recrutador pode te perguntar e você deve ter as respostas na ponta da língua:

  1. Qual é a primeira linha de um perl script? E do bash script?
  2. Como você exibe o hardware do sistema em execução?
  3. Liste todos os arquivos abertos em uso pelo usuário root.
  4. Exclua /home/sites.
  5. Encontre todos os processos iniciados por um usuário e mate todos em uma linha.
  6. Use chkconfig para impedir um serviço de iniciar (o comando pode mudar conforme a distribuição Linux).
  7. Programe o servidor para reiniciar em um horário específico por meio da linha de comando.
  8. Pare um serviço específico.
  9. Descubra se o serviço “XYZ” está rodando.

Encontre um mentor para sua Formação LINUX

Quando vamos aprender um novo assunto — e, principalmente, se a intenção é a qualificação profissional —, ter o apoio de alguém que já é especialista nesse assunto e tem experiência de mercado é muito importante.

Hoje eu tenho mais de 1100 alunos no Profissionais Linux, ( que é uma formação LINUX completa ), e com tantos alunos assim, eu acabo sendo de certa forma um mentor para esse pessoal, nós trocamos muitas informações ao longo da formação LINUX de cada um, e até mesmo depois que esses alunos já tiram o certificado.

Seja para ter um incentivo quando se deparar com questões desafiantes ou mesmo ter ajuda para entender certos assuntos, tirar dúvidas e receber dicas, um profissional com o know-how sobre o sistema Linux vai tornar o caminho mais fácil de ser trilhado.

Lembre-se que estar sempre atualizado requer aprendizado e desenvolvimento constante de habilidades. Contar com a ajuda de um mentor não só vai funcionar como um suporte na sua carreira, mas também te ajudar a ir além do que já foi feito para solucionar problemas corporativos. E tudo isso leva o profissional a conquistar um lugar de destaque no mercado de trabalho.

Com a diversidade de fontes de informação sobre o Linux disponíveis na internet, também é possível encontrar ajuda e trocar informações sem ter que sair de casa.

Cursos de LINUX (presenciais e on-line) são ótimos caminhos para conhecer profissionais experientes no assunto que podem se tornar mentores da sua carreira como especialista em Linux. Nada melhor que uma pessoa capacitada e com didática para ensinar sobre um assunto, não é mesmo?

Veja também essas dicas aqui para descobrir qual a melhor forma de fazer um curso de LINUX.

Leia também ...   Como resolver o erro no VirtualBox após atualização do Ubuntu

Redes sociais também são de grande ajuda, pois o profissional pode conhecer outras pessoas que atuam com Linux, fazer seu networking e trocar informações sobre o tema.

Sites, blogs e fóruns sobre Linux podem ser bastante enriquecedores, por isso, busque ler artigos e e-books e participar de discussões. Assim, você pode encontrar ajuda e ainda auxiliar quem está iniciando seus estudos do Linux.

Essa é uma das grandes belezas do software livre: uma cultura de colaboração e ajuda mútua, que faz o aprendizado ser muito mais fácil.

Continue praticando

Praticar os conhecimentos teóricos adquiridos é mais que fundamental para ser um bom profissional especialista em Linux. Por isso, depois de aprender as aplicações básicas do sistema, busque tarefas mais complexas para exercitar seus conhecimentos.

Fazer testes on-line, criar aplicativos, programar Arduinos e produzir jogos estão entre algumas formas de treinar o que foi aprendido.

Testes: se você deseja testar seus conhecimentos sobre o sistema do Pinguim ou praticar para uma das provas de certificação em Linux alguns sites disponibilizam testes, como o Linux Administration e o TecMint.

Apps

Criar aplicativos no Linux é uma ótima maneira de treinar o que você aprendeu, e você pode usar a criatividade e disponibilizar seus apps para outros usuários do software livre.

Alguns programas e ferramentas vão te ajudar no desenvolvimento de aplicações em diferentes linguagens. Conheça alguns:

  • Bluefish: é indicado para edições de arquivos HTML, mas suporta outras linguagens e está disponível em vários idiomas.
  • Glade: ferramenta usada para o desenvolvimento para interface gráfica do usuário (GUI) que usa o formato GtkBuilder para armazenar as criações. É programado em C e GTK.
  • Anjuta: trabalha com linguagens C e C++, Java, Python e Vala. É um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) e possibilita a integração com o Glade para a criação de interfaces gráficas.
  • Gambas: é uma alternativa ao Visual Basic, do Windows, usado para criar apps Qt ou GTK com bancos de dados como MySQL, PostgreSQL e SQLite.
  • Android SDK: criar aplicativos para Android também é uma ótima pedida para treinar. O Android SDK vai auxiliar na criação de apps e também de programas e ferramentas de desenvolvimento, entre outros.

Arduino

Outra forma de treinar seus conhecimentos é pela programação de uma plataforma Arduino, que tem uma linguagem própria baseada em Wiring, e que é de grande ajuda para quem está começando por sua simplicidade.

Com o Arduino o usuário pode criar ou modificar códigos abertos sem a necessidade de um computador para isso. Mas a plataforma também pode ser conectada diretamente à sua máquina.

Jogos

Quem gosta de jogos e quer melhorar suas habilidades de programação e trabalhar a criatividade com o desenvolvimento de games no sistema Linux pode contar com algumas ferramentas gratuitas de desenvolvimento. Confira algumas de destaque no mercado:

  • Defold: ferramenta que usa a linguagem Lua para o desenvolvimento de jogos para as plataformas Android, iOS, Linux, HTML 5, Windows e Mac OS X. É da empresa King, criadora do famoso Candy Crush, e ideal para a criação de jogos 2D.
  • Panda 3D: compatível com a linguagem Python e programado em C++, o Panda 3D foi criado pela Disney e exporta games para Windows e Mac OS X. Com ele, é possível importar gráficos criados em ferramentas como Maya e 3DS Max, entre outros.
  • Blender: permite a modelagem, a renderização, a simulação e o rastreamento de movimentos no desenvolvimento de jogos e na edição de vídeos. Além disso, ainda conta com uma biblioteca própria para auxiliar o usuário.
  • RenderMan: ferramenta da Pixar para criação de animais e efeitos visuais, o RenderMan conta com a tecnologia de ray tracing e possui ferramentas de iluminação e sombreamento. É compatível com Maya e com o Katana, da Autodesk e The Foundry, respectivamente.

Enfim, não existem segredos: ter metas traçadas e foco para alcançá-las é o único caminho para quem deseja ascender profissionalmente. Na tecnologia da informação, isso significa estar sempre antenado às novidades e em contato com novas técnicas e outros profissionais da área para absorver o máximo de conhecimento.

Buscar a formação contínua e o aprimoramento das habilidades com o Linux é mais que fundamental para profissionais de TI terem sucesso no mercado de trabalho atual, principalmente como administradores de sistemas.

Não fique para trás: conheça já o curso de formação Linux que eu ministro, tenho certeza que você vai gostar do método que eu utilizo no PROFISSIONAIS LINUX, pode clicar bem aqui para assistir uma aula completa de LINUX.

Sobre pedrodelfino

Trabalha com tecnologia da informação, usando Linux a mais de 13 anos. Autor do Ebook Curso Linux Ubuntu.

Aula Online: Aprenda a Dominar o Linux De Uma Vez Por Todas

x

Aprenda a Dominar o Linux De Uma Vez Por Todas

Você vai aprender passo a passo como dominar o LINUX de uma vez por todas e descobrir os 4 pilares para ser um Profissional EXPERT.